segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Eis que veio buscar-me

E lá estava ela, ao pé de minha porta
Em pé, parada me olhando
Talvez estivesse sorrindo ou chorando
Tenho que levá-la. Foi apenas o que ela disse.
Eu sabia, era minha hora, mas não poderia ficar mais triste.
Sorri, me aproximando, pousei meus olhos nos dela e perguntei:
- Tens certeza? Acho que ainda não cumpri tudo aqui na Terra.
Ela então respondeu tão segura de si:
- Se não tivesse certeza, não estaria aqui.
Então ela pegou minha mão sorrindo
Talvez querendo que eu me acalmasse
Me vi se afastando de tudo
Me vi perdida no passado
Chorei, talvez a última lágrima daquele corpo
Sonhando no que poderia acontecer dali adiante
Perdida nas razões de tudo aquilo
Me vi chorando sem chão
Ainda com as mãos na minha
A morte, zombadeira, ficou-se deprimida
Quando vozes de mim saíram, disse:
- Por favor, me deixa fazer somente uma cousa
Ela então sorriu e soltou-me
Pensei em correr, fugir.
Mas quem é que consegue fugir da morte?
Ela está em todos lugares
Até mesmo nos mais belos jardins
Sabia, pois que já era-me o fim
Mas abusei em oferecer-lhe uma xícara de chá
Sentadas a mesa, sorri depois de tanto chorar
E questionei diversas coisas, tão curiosa queria logo saber aonde ia
A morte tão misteriosa fez o silêncio
Parada sentada a minha frente, agarrou a xícara e a empurrou de contra a mim
- Você não toma chá?
Mas que bobagem, ora está
Alguém tão sem vida viver normalmente?
Então ela disse decepcionada:
- Entre outras mil cousas que tu poderia fazer, tu preferiste esta medilcre xícara de chá.
Pensei então em meus irmãos, minha mãe, meu pai.
Poderia ter lhe dado um beijo, um sorriso, ter feito a morte um apelo
Mas ao invés, preferi ficar agarrada em uma xícara sem fundamento
Deixei minha vida passar
Apaguei minutos depois.




-

Eu sempre explico o que quero dizer com meus textos, não é mesmo?
Mas este eu vou deixar pra vocês refletirem.


Meu Beijo meu amores.
Fiquem com Deus.


P.S.: Conseguir trazer uma amiga que escreve muuuuito pra blogosfera.
Passem lá depois. Bem bacana, eu adorei!

8 comentários:

  1. A xícara de café seria a pouca vida, não é?
    A covardia, a estagnação...
    Bom, interpretei assim.
    E "cousa" me lembrou Machado de Assis.

    Beijo, Gabi.
    Vivamos, antes que a morte venha.

    ResponderExcluir
  2. Esse texto me fez refletir sobre algumas coisas...
    Várias ideias passam por minha mente agora...
    Não sei se tenho uma reflexão correta sobre ele...
    Mas amei!!!

    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Aaah Gaabs, seu blog é tudo, leio ele a muuuuuuito tempo meeeeeeeeeeesmo!
    Adoro teus textos, me vejo neles, é incrivel.
    Eu nem tenho o que comentar IHDSIFHSD

    beeeijo (L

    ResponderExcluir
  4. hum... sugiro que essa morte venha depressa, tão rápida quanto um piscar de olhos, como diria o MESTRE...

    :P

    desprezo a morte... será a pior das minhas vergonhas! :-(

    Mas tá... estou debaixo dessa regra, como todos, paciência.

    -.-

    ResponderExcluir
  5. Estou divulgando meu novo blog
    www.gastronomiaefotografia.blogspot.com
    Se puder da uma passada lá!

    Atenciosamente
    Tati

    ResponderExcluir
  6. Talvez não recebamos o amor a nossa porta, mas essa visita aí todos receberemos. Uns podem receber com um chá suave, doce..outros com um de boldo..sei lá...eu prefiro café..não gosto de chá. rs rs rs

    Amei o texto.

    Bjos

    ResponderExcluir
  7. Você é tão romântica!! Fico imaginando quanto amor tem nesse coração! Espero que amor que a faça mais sorrir do que chorar!

    ResponderExcluir

Faça um comentário, se houver um. Caso ao contrário, se apenas gostou do texto, ou o leu e não há nada a declarar, clique nas opções acima (Eu li/E gostei).
Saiba que não precisa obter conta no Google para comentar, você pode deixar seu comentário como anônimo. Preferindo se identificar, deixe seu e-mail ou algo assim. Os comentários de postagens recentes passam primeiro pela minha aprovação, não o postarei de você quiser deixá-lo oculto.

Pratique a leitura.

Translate