quinta-feira, 4 de julho de 2013

Copo cheio, coração vazio

Ela estava ali, sozinha, sobre a mesa um romance barato, esperando, talvez, saltar das páginas e infiltrar-se em sua vida. O marcador de página denunciava que ela o lia ferozmente ou que, talvez, ela apenas carregava-o para cima e para baixo há tempos, numa leitura lenta e cautelosa, a fim de que, quem sabe, alguém se interessasse no assunto, chegasse mais perto e questionasse sobre. Ela teria uma desculpa para iniciar uma conversa. Fantasiava e ensaiava diversas vezes um possível diálogo. Um (im)possível diálogo. O bar estava vazio, era segunda-feira. Enquanto alguns curavam a ressaca, ela estava a procura de uma (de amor).


Gabriela Marques
04/07/2013

2 comentários:

  1. Apoio todas as tentativas de fazer da vida o que nos der vontade. Apoio todas as possibilidades, e as brechas que abrimos para as possibilidades. Sair com um livro qualquer, um boné qualquer, sentar num bar, num ônibus, em qualquer lugar... a vida pode acontecer. Entendo o que é isso, já senti isso, sei que muitos sentem (mas poucos se dão conta disso, e sofrem sem entender o porquê), e já escrevi sobre algumas vezes... é uma aflição comum, da qual não há uma saída aparente, talvez a ressaca em questão seja uma possibilidade... apoio.

    É sempre bom voltar... beijos e abraços.

    ResponderExcluir
  2. Essa está difícil de achar...

    ResponderExcluir

Faça um comentário, se houver um. Caso ao contrário, se apenas gostou do texto, ou o leu e não há nada a declarar, clique nas opções acima (Eu li/E gostei).
Saiba que não precisa obter conta no Google para comentar, você pode deixar seu comentário como anônimo. Preferindo se identificar, deixe seu e-mail ou algo assim. Os comentários de postagens recentes passam primeiro pela minha aprovação, não o postarei de você quiser deixá-lo oculto.

Pratique a leitura.

Translate