segunda-feira, 7 de março de 2011

Senhora Isabel

A campainha tocou, a porta se abriu e uma cabeça apareceu no vão. Pois não?, uma moça baixinha de óculos quis saber.
- Sou Isabel, tenho uma consulta com a Dra. Alice - explicou-se.
A secretária baixinha fechou a porta e Isabel pôde ouvir o estalar do cadeado destrancando a mesma.
- Entre. Sou Giulia - apresentou-se ela por fim escancarando a porta - Sente-se, ela logo irá chamá-la.
E então, a moça de uniforme azul deu passagem à Isabel que logo avistou uma sala de espera.
Na sala, haviam mais duas pessoas: uma mulher um pouco magra, calada demais e neurótica, como Isabel pôde notar mais tarde, depois de quase meia hora de espera. E havia também um rapaz que se sentava na poltrona à frente da sua, e este não parou de fitar suas pernas sequer um segundo. Talvez ele seja um maníaco por sexo, pensou Isabel consigo mesma, e depois riu em seu íntimo. Puxou a saia um pouco mais ao joelho e começou a folhear uma revista qualquer, sem sequer dar atenção às matérias, somente para passar o tempo, mas desta logo se enjoo e a devolveu à mesa de centro.
Ainda no colo, Isabel trazia sua bolsa de camurça. Suas pernas agitavam-se se impaciência. Isabel tentou controlar-se para não puxar um cigarro ali mesmo. Precisava de fumo, precisava de algo desestressante. Pensou em quanto tempo fazia que não fumava algo. Poxa, faz duas horas, atualizou-se ela olhando agora para o relógio de parede. Desde o fim do expediente. Nada, nenhunzinho. Passou a língua seca pelo céu da boca. Pensou em ir ao banheiro, ou então sair. É, vou dar uma saidinha, mas antes, já de pé, virou-se para a recepcionista: Que horas ela poderá atender-me? A moça que checava alguns arquivos pelo computador, reproduziu um muxoxo, e depois de alguns longos segundos, disse meio que num sussurro: Logo, senhora, logo.
Percorreu até a porta, e quando se felicitava a sair para fumar um maço, a mesma secretária que lhe havia aberto a porta, agora a fazia fechar. Senhora Camargo, Dra. Alice lhe espera.
Droga. Mais 15 minutos e uma tragada. Mais 15 minutos...
Isabel virou-se lenta e histericamente. Sorriu amarelo e entrou na sala seguida da secretária que fez menção a apresentá-la à Dra.
- Sim, Giulia, obrigada - disse a Dra. verificando alguns papeis dispersos na mesa.
Isabel sentou-se, e ficou aguardando qualquer palavra, mas a Dra não o fez.
Agitando ainda as pernas, amaldiçoou a mesma. Se soubesse que me chamaria para vê-la assinar papeladas, estaria eu sorrindo e contente tragando meu cigarrinho. Doente!
- E então - finalmente cuspiu a Dra abandonando as papeladas numa gaveta - Pelo visto, sua primeira consulta.
- Sim...
- Já é um grande passo. Iniciar, eu digo, muito deles têm preconceito em aceitar-se. Mas peço desculpas, Senhora - vacilou ela olhando enfim o único papel que sobrara sob a mesa - Isabel. Senhora Isabel - corrigiu ela.
- Peço desculpas - continuou ela - pela demora. O trânsito tem sido uma loucura, não?
- Hum...
Isabel ainda agitava as pernas freneticamente. O medo do imprevisível.
- Ainda dirigi, Isabel? - quis saber a Dra enquanto tiquetaqueava uma caneta - Posso chamá-la assim, não posso?
- Isabel está bom.
- Ainda dirige depois da morte de seu filho? - disse a Dra. refazendo a pergunta.
Isabel então engoliu em seco.
- Não penso assim, declarou ela.
- Assim como?
- Juninho... Ele não morreu!
- E por que não, Isabel?
- Porque... não...
- Recebi um Laudo esta amanhã... E lá diz que...
- Podemos falar de outra coisa?
- Tudo bem.
Alice, ou melhor: a Dra. Alice, sentiu-se mal, "aquela mulher matara o próprio filho e agora não queria falar sobre?!" Sentiu raiva, ou então até mesmo pena. Não posso me envolver. Nunca se envolva com a vida de seu paciente. Nunca.
- Tudo bem...Que tal então você começar a falar sobre seu problema com drogas, Isabel?

8 comentários:

  1. Me parece que vai continuar...
    Ficou um ar de: Continua...
    Fiquei curiosa...
    Belo conto!!!

    Bjs

    ResponderExcluir
  2. Saudade. (Não tem outra maneira de começar...)

    Muito bom!
    Não consegui imaginar o que levou Isabel ao consultório até ser revelado. E eu sempre gostei de ser surpreendido.
    Concordo com as outras pessoas, uma continuação seria muito bom.

    Beijo!

    ResponderExcluir
  3. Olá gostaria que visita se meu blog que é dedicado a cultura. Espero que goste nele tenho uma coluna poética aos sábados ás 09 da manhã espero poder contar com sua visita.

    Sucesso em seu espaço.

    Magno Oliveira
    Twitter: @oliveirasmagno ou twitter/oliveirasmagno
    Telefone: 55 11 61903992
    E-mail oliveira_m_silva@hotmail.com

    ResponderExcluir
  4. Olá gostaria que visita se meu blog que é dedicado a cultura. Espero que goste nele tenho uma coluna poética aos sábados ás 09 da manhã espero poder contar com sua visita.

    Sucesso em seu espaço.

    Magno Oliveira
    Twitter: @oliveirasmagno ou twitter/oliveirasmagno
    Telefone: 55 11 61903992
    E-mail oliveira_m_silva@hotmail.com

    ResponderExcluir
  5. É preciso se ter muita coragem para enfrentar os problemas internos!

    ResponderExcluir
  6. Como sempre com situações profundas.

    ResponderExcluir

Faça um comentário, se houver um. Caso ao contrário, se apenas gostou do texto, ou o leu e não há nada a declarar, clique nas opções acima (Eu li/E gostei).
Saiba que não precisa obter conta no Google para comentar, você pode deixar seu comentário como anônimo. Preferindo se identificar, deixe seu e-mail ou algo assim. Os comentários de postagens recentes passam primeiro pela minha aprovação, não o postarei de você quiser deixá-lo oculto.

Pratique a leitura.

Translate