quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Poema da poetisa ao matemático

Amar um matemático,
que problema, que situação!
Aparece-me com incógnitas
equacionando meu coração.

Desafia-me na trigonometria,
mas sou pura poesia
não há em nós compreensão.

Escrevo-te em versos,
reviso a métrica,
mas você crê ser inútil toda esta escansão.

Porque somos esta dicotomia
como céu e inferno,
polinômios e poesia.

Somos dualidade:
razão versus emoção.

Mas porque somos antagônicos,
resiste em nós certa atração.
Feito polo norte e sul
Você o "mundo sensível" e eu o "inteligível" de Platão.
Somos potenciação de base "sentimento"
uma progressão geométrica em ascensão.

Entretanto, peço: não faça contas em minha presença
nosso amor não é um problema,
visto que não tem resolução.

Mas se for para amar a ti, matemático
que eu o ame, então, sem fim
Porque a única coisa que o meu ser sente e,
portanto, compreende, é a imensidão do infinito,
que é exatamente o que sinto.

E por isso não nego, matemático...
a ti, de corpo e alma, me entrego.

23.01.2013

3 comentários:

  1. Espetacular!
    Muito bom mesmo.
    Meus parabéns!!

    ResponderExcluir
  2. O amor e suas indefiníveis equações desafiam tanto a nossa mente quanto nossos corações!

    Bjos

    ResponderExcluir

Faça um comentário, se houver um. Caso ao contrário, se apenas gostou do texto, ou o leu e não há nada a declarar, clique nas opções acima (Eu li/E gostei).
Saiba que não precisa obter conta no Google para comentar, você pode deixar seu comentário como anônimo. Preferindo se identificar, deixe seu e-mail ou algo assim. Os comentários de postagens recentes passam primeiro pela minha aprovação, não o postarei de você quiser deixá-lo oculto.

Pratique a leitura.

Translate