quarta-feira, 22 de maio de 2013

Solta o som, Hegel

Cansei da efemeridade das noites
da futilidade das roupas e cores,
dos copos, papos e corpos
Dos sorrisos de plástico,
assuntos estáticos...

Mãos abraçam um desconhecido corpanzil
As bocas se enlaçam num beijo verossímil...
Enquanto a noite rola à luz hegeliana
e o coração continua vazio.


Gabriela Omena
12/04






Um comentário:

  1. E só quem já se sentiu assim sabe como esse vazio incomoda.

    ResponderExcluir

Faça um comentário, se houver um. Caso ao contrário, se apenas gostou do texto, ou o leu e não há nada a declarar, clique nas opções acima (Eu li/E gostei).
Saiba que não precisa obter conta no Google para comentar, você pode deixar seu comentário como anônimo. Preferindo se identificar, deixe seu e-mail ou algo assim. Os comentários de postagens recentes passam primeiro pela minha aprovação, não o postarei de você quiser deixá-lo oculto.

Pratique a leitura.

Translate