segunda-feira, 19 de abril de 2010

Despedida


A chuva caía lá fora, tentava imaginar porque não conseguia expressar outra coisa além do que se passa na mente; ele. Ele...
Por que decidimos nos preocupar com quem não devemos?
Quando amamos viramos crianças... Perdi meu senso, pareço criança. Sou madura, sei. Mas não sei ao certo porque razão perco a linha. Não devia falar asneiras à alguém que sei que não dará ouvidos. Não merece. Não o reconheço mais. E aquele alguém que amei não respira mais o mesmo ar que eu, não é o mesmo; não digo em corpo, digo em ser. Não é o mesmo por quem me faltou ar. Não é o mesmo, não é!
Devia ser diferente meu sentimento também... mas não. Não sei ser carinhosa, não sei demonstrar de outro jeito. O que eu queria era matá-lo, mas não de beijos. Se pudesse sacaria uma faca e iria esfaqueá-lo aos poucos, e sorrir a cada pedaço de ser que eu fosse retraindo.
Mas sei que não é ele que devo matar. Devo matar-me para matá-lo, afinal ele está dentro de mim, e se preciso tirá-lo daqui; não há outra saída então...
Eis me aqui numa despedida.
Farei de contos a realidade...
Irei me matar... literalmente irei me matar de amor.



_____________________

Um grande Beijo
Fiquem com Deus

16 comentários:

  1. Intenso! A despedida é algo doloroso pra mim...não gosto.


    abraços

    de luz e paz.


    Hugo

    ResponderExcluir
  2. Hum... você tem pensamentos muito estranhos [olha só quem fala] hauahuhuah


    credo... rsrs... esfaquear aos poucos e sorri em cada pedaço... nussa... que isso... rsrs

    Bem... se continuar, eu to torcendo para que se ela tiver que se despedir mesmo, que mantenha-se viva e deixe o rapaz vivo também... hehhe

    eu hein...

    rsrs

    xD

    :P

    ResponderExcluir
  3. eu sou meio psicopata com meus escritos também, te entendo. AHEUAHE
    continua sim, a curiosidade bateu agora (: deve ficar muito bom, como todas as tuas histórias :D

    bjs

    ResponderExcluir
  4. Lindo,intenso,mara! Amei o conto!Diz tudo que sinto hoje por um alguém aí...rs'

    Continua sim! Plz!

    Bjs!

    ResponderExcluir
  5. Beem profundo.'
    Será que valeria apena?
    ASIUHAIHUHSUAHSAS'
    De repente ne? :o
    é difícil lidar com um alguém que não compreende teus sentimentos. :/

    ResponderExcluir
  6. nossa, que intenso *-* vc fez com que a despedida fosse muito dramatica, mais do normal.
    eu gostei (:

    bjs :*

    ResponderExcluir
  7. Ual, adorei o conto *-*
    muito bom...
    quero ler a continuação *-*

    bjus =*

    ResponderExcluir
  8. Fora que quase sempre quando isso acontece,as pessoas mudarem,agente nunca entende como aconteceu.
    Sei como é...
    beijos.

    ResponderExcluir
  9. Muito profundo
    me lembra muito amores em certas fases da minha vida que quem sabe um dia eu retrate no meu blog

    ResponderExcluir
  10. Morre de amor é meu maior desejo
    :D

    ResponderExcluir
  11. Wow!!!
    Sentido figurado ou real...
    Me confundiu...
    Mas gostei...
    Continua...

    Bjs

    ResponderExcluir
  12. COntinua, claro.
    Despedidas sempre rendem belos e intensos textos.

    Fique bem

    BeijOcas

    ResponderExcluir
  13. Oh yeeeeeaaaahhhh!!!! Ficou daqui, ó! Me lembrou uma pesquisa feita por um médico americano com condenados no corredor da morte (leia-se cadeira elétrica!): ele descobriu que nenhum deles sofria de alguma doença, nem pressão alta, nem depressão, nada. Porque sempre fizeram o que bem entenderam. Inclusive matar. O único problema é que foram em cana...Então, a gente tem que se segurar...
    Obrigado pela presença lá em nosso niver!
    Bjoooo!!!

    ResponderExcluir
  14. É sempre muito difícil se despedir de quem amamos,mas infelizmente existem coisas inevitáveis.Continua a escrever,tah?,pq eu estou aqui na expectativa...
    A dor da despedida eh intensa e o q resta em maioria nos corrói aos poucos,plo menos até a volta por cima ;]

    Beijos!!! [Continua aí *.*]

    ResponderExcluir
  15. continua siiiiiiim *-*
    parabéns pelo seu talento, você escreve muito bem!

    um beijo e um queijo ;@

    ResponderExcluir
  16. MeniLna, choquei com o esfaquear, ó. Confesso, rs.

    Brincadeira!
    Entendi a essência da coisa.
    Esfaquear e matar o amor que vive gritando em ti. Entendo, entendo. Matar o ser amado não mataria o amor, não é mesmo?

    Ah, muito intenso isso, Gabi. Gostei!

    Beijo.

    ResponderExcluir

Faça um comentário, se houver um. Caso ao contrário, se apenas gostou do texto, ou o leu e não há nada a declarar, clique nas opções acima (Eu li/E gostei).
Saiba que não precisa obter conta no Google para comentar, você pode deixar seu comentário como anônimo. Preferindo se identificar, deixe seu e-mail ou algo assim. Os comentários de postagens recentes passam primeiro pela minha aprovação, não o postarei de você quiser deixá-lo oculto.

Pratique a leitura.

Translate